25/03/2020 - MODELOS DS E OPEL GÊMEOS DO NOVO FIAT 500e PODERÃO CHEGAR GRAÇAS À FUSÃO PSA/FCA

No final do ano passado Fiat Chrysler Automobiles e Groupe PSA formalizaram um acordo de fusão, uma aliança através da qual ambos os gigantes da indústria automobilística se tornarão o quarto maior fabricante mundial de automóveis.

Esta fusão abre um leque de novas opções, com novas possibilidades de compartilhar arquiteturas que até este momento eram impensáveis. No âmbito desta fusão, poderão começar a surgir novos veículos no futuro e os primeiros rumores sobre as marcas Opel e DS já começaram a surgir.

Há poucas semanas assistimos à estreia virtual da terceira geração do Fiat 500, que originalmente seria revelada no Salão de Genebra 2020, que acabou sendo cancelado devido ao avanço do coronavirus.

Nesta nova entrega, o Fiat 500 será somente elétrico, já que esta nova geração não contempla o lançamento de nenhum tipo de motor a combustão. A Fiat Chrysler Automobiles anunciou que a geração atual do 500 continuará à venda por muito mais tempo, isso para cobrir a demanda dos clientes que buscam um modelo mais acessível e que agora também inclui um sistema de propulsão híbrido.

Mas o novo Fiat 500e poderá não estar somente dentro da linha de urbanos elétricos da Fiat Chrysler Automobiles, uma vez que o modelo italiano poderá servir como base para o desenvolvimento da nova geração do Opel Adam, além do inédito DS 1.

Os novos DS 1 E-Tense e Opel Adam-e poderão ser sustentados pela mesma plataforma usada pelo novo Fiat 500e, compartilhando também o mesmo motor elétrico de 120 cv, junto a uma bateria de 42 kWh, com 320 quilômetros de autonomia.

Se prevê que os novos Opel Adam-e e DS 1 E-Tense sejam produzidos também na fábrica italiana de Mirafiori, junto com a nova geração do Fiat 500, instalações com capacidade para montar cerca de 80.000 unidades de veículos elétricos ao ano.

Não se pode descartar também uma versão elétrica do Lancia Ypsilon, uma nova geração do único modelo que a marca italiana ainda mantém à venda e que poderá marcar o retorno da Lancia aos mercados mundiais.