01/08/2020 - PEUGEOT 806 SUPERTOURER: O MONOVOLUME QUE PARTICIPOU DAS 24 HORAS DE SPA-FRANCORCHAMPS

Monovolume e competição são dois conceitos que historicamente nunca encaixaram. Este tipo de veículo se destaca por seu espaçoso interior, sua versatilidade e por ser perfeito para famílias. De fato, na década de 1990 e grande parte da de 2000, os monovolumes detinham uma grande porcentagem do mercado. Agora, estes tipos de carros foram praticamente canibalizados pelos SUVs, mas houve uma época em que não conheciam limites, nem sequer dentro dos circuitos. Esta é a história do Peugeot 806 Supertourer que correu nas 24 Horas de Spa-Francorchamps de 1995.

Enquanto a Renault, o principal rival da Peugeot, trabalhava no Renault Space F1 Concept, uma louca criatura que combinava um monovolume com um motor derivado da Fórmula 1, a divisão belga da Peugeot se focava em uma das corridas de resistência mais famosas do mundo. Embora a criação da Renault jamais chegasse a competir, a da Peugeot Bélgica com a equipe Kronos Racing esteve presente na edição de 1995 das 24 Horas de Spa-Francorchamps.

Em uma jogada a meio caminho entre uma campanha de marketing e a aspiração para conquistar a famosa corrida de resistência, a equipe Kronos Racing com o apoio técnico da Peugeot Bélgica, decidiu participar em uma prova de 24 horas, não sem antes enfrentar uma série de desafios para conseguir a aprovação da FIA para participar com um veículo tão atípico nos circuitos como um monovolume de sete lugares.

Em 1995, a Peugeot contou com muito bons resultados nos diferentes campeonatos em que participou, com o 306 Maxi de rallys e o 406 Superturismo, de modo que decidiram divertir-se um pouco ao mesmo tempo que receberam toda a publicidade que nem poderiam imaginar. A estratégia passava por preparar devidamente um 806 para competir em uma corrida de porte como as 24 Horas de Spa. E o resultado de tão astuta mistura entre genialidade e loucura não poderia ter sido melhor.

O Peugeot 806 Supertourer em questão tomava como base o monovolume de sete lugares, mas recebia uma numerosa lista de mudanças para torná-lo apto para competir. A primeira foi debaixo do capô, onde foi instalado o motor de 2.0 litros sobrealimentado de 4 cilindros do 306 Maxi, com uma potência de 280 cv que entregava a 8.700 rpm. Também foi esvaziado por completo o interior, foi instalada uma jaula de segurança homologada, um banco de competição e todos aqueles elementos obrigatórios para a pista.

A suspensão de corridas, que rebaixava a altura do 806 de maneira considerável, e um potente sistema de freios se encarregavam de mantê-lo todo sob controle. O exterior contava com uma divertida decoração com balões de festa coloridos e o número 86 impresso nas portas e no teto. O número não foi uma decisão do destino, mas foi escolhido precisamente em homenagem a denominação do modelo ‘806’.

Um carro que exigia pilotos com grande experiência, e a Kronos Racing montou uma equipe com pilotos belgas, composta por Eric Bachelart, que já competia com o 406 Superturismo, Philippe Verelleny e Pascal Witmeur. Chegado o final de semana da corrida no circuito de Spa-Francorchamps, a equipe conseguiu com um carro atípico encostar no top ten durante a classificação. O 806 Supertourer obteve o 12º melhor tempo, o que lhe garantia um bom lugar no grid de largada.

No entanto, a sessão de classificação e todos os treinos haviam trazido à tona uma série de falhas e problemas mecânicos que o 806 trazia consigo. Resolvidos até a hora da corrida, algumas falhas relacionadas com a confiabilidade viriam à tona mais uma vez dado o tiro de largada. Além disso, um monovolume nunca havia sido concebido como um carro de corridas, de modo que trazia consigo algumas desvantagens, como o excesso de peso, a aerodinâmica deficiente e o elevado centro de gravidade, que faziam com que outros turismos o superassem nas curvas e nas longas retas do traçado belga.

No vídeo é possível ver a diferença no desempenho quando se tratava de enfrentar os rivais na pista. A primeira hora acabou com o 806 nos boxes devido a um problema com os freios. O diferencial se somaria à lista de avarias pouco depois, assim como um problema com o suporte do motor devido à elevada tensão no chassi. O Peugeot 806 Supertourer completou somente 12 das 24 horas da corrida devido a uma série de problemas mecânicos que provocaram o seu abandono.

Apesar do triste resultado, a Peugeot Bélgica e a equipe Kronos Racing demostraram que qualquer carro, com uma série de modificações, poderia ser apto para competir nas corridas de maior exigência a nível mundial. Também provocou que muitas pessoas comentassem essa façanha e que puderam ver o seu monovolume competindo contra BMW, Audi, Opel, Toyota e Honda no famoso circuito belga. A jogada de marketing teve um grande final…

Confira as Fotos